Notícias do dia

No ‘campeonato’ das polémicas, Costa saiu derrotado. As mais lidas do ano

N o rescaldo de 2023, a política nacional ficou marcada pela demissão do primeiro-ministro, António Costa , na sequência de um inquérito relacionado com os negócios do lítio e hidrogénio verde, e consequente dissolução da Assembleia da República pelo Presidente da República , Marcelo Rebelo de Sousa.

A designada ‘Operação Influencer’, recorde-se, levou também à demissão de João Galamba , então ministro das Infraestruturas, que chegou ao Executivo de Costa em janeiro, numa altura em que a indemnização a Alexandra Reis e a TAP marcavam a atualidade política. No entanto, nessa altura, o país estaria longe de imaginar os episódios que se seguiriam.

Mas as polémicas em torno da TAP voltariam a ser tema e viriam a adensar-se nos meses seguintes, sobretudo com a Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) à tutela política de gestão da companhia aérea. Outro episódio que marcou a atualidade aconteceu quando João Galamba foi acusado de pretender omitir informações na CPI e após incidentes no Ministério das Infraestruturas envolvendo o ex-adjunto Frederico Pinheiro . António Costa contrariou a posição de Marcelo Rebelo de Sousa, negando a demissão de Galamba , e muita tinta correu sobre qual seria o futuro do Governo, envolvido em inúmeros “casos e casinhos”.

Também este ano, os madeirenses foram chamados às urnas nas eleições legislativas regionais . A coligação PSD/CDS-PP venceu as eleições, mas não obteve maioria absoluta. Houve ainda uma estreia para o Chega, que conseguiu entrar no Parlamento regional, com a eleição de quatro deputados.

O regresso dos debates quinzenais à Assembleia da República também marcou 2023. Em outubro, o primeiro-ministro respondeu às perguntas dos deputados, que incidiram sobretudo em temas como a saúde, a TAP e o polémico aumento do IUC.

Já com a dissolução à vista, no Parlamento, em novembro, f oi aprovado, em votação final global, o último Orçamento do Estado do Governo de Costa , numa altura em que o Presidente da República já tinha anunciado eleições legislativas antecipadas para 10 de março de 2024.

Passar por 2023 no universo político significa relembrar ainda que Pedro Nuno Santos foi eleito secretário-geral do PS , com 24.080 votos, correspondentes a 62%, nas eleições diretas, sucedendo a António Costa.

Eis as 10 notícias de Política mais lidas de 2023:

TAP, Medina, questionário e casos. Um ano do Governo que se pôs “a jeito”

Catarina Martins deixa liderança do BE em maio “por razões políticas”

Pós-ralhete? Santos Silva explica-se e condena divulgação de conversa

Costa acusa Cavaco Silva de querer “criar uma crise política artificial”

“Acordaremos daqui a dias e Costa substitui 3 ou 4 membros do Governo”

“PSD compara Costa tanto a Salazar como a Chávez. Mete dó ver PSD assim”

“Absurdo”. Governo e (quase todos os) partidos saem em defesa de Guterres

Costa, Marcelo e o “pobre protagonista”: A fita da nova tensão em Belém

“PM foi demitido por PGR. E PGR não tem noção do gravíssimo dano ao país”

PNS promete “decidir e avançar”. “Temos demasiadas pessoas que empatam” ?

read more

As capas QUE MARCARAM O ANO 2023

MANCHETES DO ‘CORREIO DA MANHÃ’ MARCARAM O ANO E ANTECIPARAM A QUEDA DO GOVERNO DE ANTÓNIO COSTA. DESDE A INVESTIGAÇÃO À EXTRAÇÃO DE LÍTIO E HIDROGÉNIO, ÀS INDEMNIZAÇÕES MILIONÁRIAS NA TAP E A CORRUPÇÃO NO PAÍS, O ‘CM’ DITOU O RITMO NOTICIOSO DO ANO QU…

read more

De fisealizador da maioria absoluta a alvo de suspeita nocaso das gémeas

Carla Soares cai las*?jn.pt

FIGURA NACIONAL DE 2023 MARCELO REBELO DE SOUSA

Esta é a escolha da redação do JN num ano que terminou com o presidente a gerir demissão de Costa, enquanto respondia às dúvidas sobre a sua participação num caso de suspeita de favorecimento.

Polemica Para o bem e para o mal, Marcelo Rebelo de Sousa é a figura nacional de 2023. Num estalar de dedos, o fiscalizador da maioria absoluta do PS, que prometeu uma “vigilância ativa” perante a sucessão de casos envolvendo o Governo, passou a ser alvo de suspeitas de favorecimento no caso das gémeas luso-brasileiras. O inquérito foi aberto no mesmo dia em que António Costa se demitiu devido à operação influência, deixando o presidente também a braços com a queda do Governo. Marcelo decidiu novas eleições legislativas para 10 de março. O Ministério Público abriu a investigação a 7 de novembro, quatro dias após a TVI revelar que as bebés, residentes no Brasil, tinham recebido um tratamento de quatro milhões de euros no Hospital de Santa Maria em 2019. Foram noticiadas suspeitas de interferência do presidente, a pedido do filho Nuno Rebelo de Sousa.

CONDIÇÕES PARA O CARGO

Marcelo reagiu logo no dia seguinte, negando qualquer pressão. E disse não se lembrar se o filho lhe falou das gémeas. Um mês depois, admitiu que recebeu um email do filho sobre o caso. E que houve troca de emails entre a Casa Civil, o filho e o hospital. Mas negou que Belém tivesse acelerado o tratamento.

“Certamente tenho condições para manter o cargo”, defendem garantindo que olhou para o filho “como qualquer cidadão que quis ser solidário”. Já depois de Lacerda Sales, ex-secretário de Estado da Saúde, ter admitido que se reuniu com Nuno Rebelo de Sousa, Marcelo afirmou que aquele encontro só existiu porque o filho “não conseguiu chegar onde queria (…) através do presidente”.

NOVO CHOQUE COM COSTA

A última batata quente foi a demissão de António Costa, alvo de investigação do Supremo Tribunal de Justiça. O então primeiro-ministro sugeriu que Mário Centeno ficasse no seu lugar. O presidente recusou, anunciou a dissolução do Parlamento e eleições. E já tinha alertado Costa, em março de 2022, de que haveria novas eleições se saísse a meio. Foi acusado pelos socialistas de ‘avaliação errada’ da situação política, em detrimento da estabilidade. Mas, para o presidente, é hora de “devolver a palavra ao povo”, sem dramatizações nem temores. Ao longo do seu mandato, Marcelo manteve-se na ribalta com sucessivos avisos sobre atrasos na execução do Plano de Recuperação e Resiliência e os casos envolvendo governantes, desde logo no braço de ferro sobre João Galamba após os incidentes no gabinete das Infraestruturas. “Como pode esse ministro não ser responsável por situações bizarras e deploráveis?”, perguntou em maio, quando Costa recusou a demissão de Galamba, que acabou por sair no mês passado.

OS VOTOS DOS LEITORES

América Aguiar (Cardeal bispo de Setúbal)

Marcelo Rebelo de Sousa (Presidente da República)

João Gonzalez (Realizador nomeação para os Oscars)

Roberto Martinez (Selecionador de Futebol)

André Pestana (Líder do S.T.O.P.)

Outras escolhas JN

Passou a bispo de Setúbal em setembro, após ter sido presidente da Fundação da Jornada Mundial da Juventude.

O sucessor de Fernando Santos na seleção nacional somou 10 vitórias em 10 jogos no apuramento para o Euro 2024.

O cineasta conseguiu que Portugal tivesse uma curtametragem de animação nomeada aos Oscars, com “Ice Merchants”.

Líder do Sindicato de Todos os Profissionais da Educação foi um dos principais rostos da luta e das greves dos professores.

Américo Aguiar (Cardeal bispo de Setúbal)

João Gonzalez (Nomeado para os Oscars)

Roberto Martinez (Selecionador de Futebol)

André Pestana (Presidente do S.T.O.P.)

read more

Guimarães desespera pelo novo Campus de Justiça

Rui Dias Icicíii^n.pt

Processo arrasta-se desde 2019, quando foi assinado um protocolo que previa a construção nos três anos seguintes

projeto O presidente da Câmara de Guimarães, Domingos Bragança, afirmou, anteontem, â margem da reunião do executivo municipal, que apesar dos esforços que tem realizado não ha respostas formais por parte do Governo sobre a construção do edifício que deve albergar vários dos tribunais distribuídos pela cidade. Além do protocolo com o Instituto de Gestão Financeira e Equipamentos da Justiça, em 2019, mais recenre mente, em maio deste ano, foi novamente anunciada a construção pelo Ministério da Justiça. A última promessa para o avanço da obra foi feita pela ministra da Justiça. Catarina Sarmento e Castro, em maio, durante o Conselho de Ministros, realizado em Braga, *’ Este investimento- jã devia estar resolvido, é fundamental para o bom funcionamento dos tribunais em Guimarães e e um compromisso’ de palavra de honra, de contrato formalmente assinado e de deliberação no Conselho de Ministros”, apontou Domingos Bragança.

NAS MÃOS DE COSTA

No protocolo estabelecido, em 2019, com a presença da então ministra da Justiça Francisca Van Dunen, o município cedeu dois lotes SABER MAIS Compromisso

Em maio deste ano. a ministra da Justiça, Catarina Sarmento e Castro, anunciou um investimento de 19 milhões de euros: obras nos tribunais de Braga e Fafe, e a construção de um novo edifício cm Guimarães.

Estado perde dinheiro

Desde que foi anunciada a construção do novo Campus de Justiça, o Estado já pagou mais de um milhão e meio de euros pelo aluguer do edifício onde está instalado o Tribunal de CreixomiL de terrenos para a construção do edifício, junto à Academia de Ginástica. Domin gos Bragança chegou a comunicai que o atraso se devia a um diferente entendimento sobre a volumetria da construção entre a Câmara e o Ministério. Depois disso, a autarquia mandou realizar um estudo de viabilidade urbanística pela Universidade do Minho, mas a obra continuou sem âvan çar. Neste mome nto, de pois de ‘ inúmeros ofícios dirigidos ã ministra da Justiça e ao secretário de Estado da Justiça”, Domingos Bragança assegura que o assunto está nas mãos do primeiro-ministro, António Costa LIBERTAR ERÁRIO PUBLIC O A construção do novo Campus de Justiça de Guimarães permitiria, por exemplo, desocupar o edifício alugado para o Tribunal Judicial de Creixomil, onde funcionam as instâncias Central Criminal, Local Criminal, Instrução Criminal, DIAF, Família e Menores e Trabalho, e que custa ao erário público 32 mil euros mensais.*

Relatório da Comarca considera que Tribunal de Creixomil não cem condições u

read more